Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alinhavo de poesias

Alinhavo de poesias

15
Dez18

Caminhamos em Jesus ...

Filomena

Caminhamos em Jesus 

para o nosso Natal 

na beleza a que somos 

chamados 

nos caminhos de uma 

nova era 

e lá fora tudo 

se prepara 

para o rejuvenescimento

dum novo ciclo das estações 

o Inverno traz a preparação 

das novas gémulas nas plantas 

a flor do Natal reluz 

as noites tornam-se 

particularmente frias 

e Jesus nasce 

em cada um 

dos nossos corações  ,

saibamos ser 

o seu agazalho quentinho 

e macio  ...

15
Dez18

O barco ...

Filomena

O barco 

maregrou na doca 

contente com as abertas 

gargalhadas do sol 

e a estibordo 

amontoavam-se as gentes 

esperando a atracagem 

ao porto  ...

Era Domingo 

e a preguiça do lazer 

transparecia 

no bar do Zé

tomado de crianças 

com seus pais  ...

No rio 

ao longo da costa 

desenhavam-se 

o voo das gaivotas 

e Marinela 

a  menina negra 

ouvia-lhes os cantos 

e numa folha 

sarapintava a poesia 

que lhe ia na alma ...

Divino mesmo  ... 

15
Dez18

Já costurava umas palavras ...

Filomena

Já costurava umas palavras 

para desanuviar tristezas 

e multiplicar sorrisos 

no seio do mundo 

alimentando assim 

a alegria da prece 

que tudo sofre e ultrapassa 

para ver nascer nas crianças 

a endiabrada brincadeira 

tão própria das suas idades 

e neste vai e vem 

contemptlo o meu doce plátano 

no desalinho outonal das folhagens 

e o seu ambiente de fundo 

que é o espaço azul dos céus 

aberto ao radioso sol 

e tomo nota 

da virtuosa jovialidade 

dos pequenos pássaros

que se atravessam nas janelas 

debroando de assobios 

a vitoriosa tarde 

que tão luminosa 

se pôs para nós  ...

15
Dez18

O Outono despede-se ...

Filomena

O Outono despede-se  ,

lá fora  o uhúu do vento 

remete-me para a infância 

com  as  árvores a dobrarem-se 

e a serem desfolhadas 

num apetite do tempo 

para assustar meninos 

que na noite 

se escondiam nos lençóis

dos rumores das alminhas  ,

e assim se preparava 

a chegada 

do solestício de Inverno 

e a festa de Natal 

com a magia 

do nascimento de Jesus 

e a chegada dos presentes  ...

E com este desagravo 

o Senhor vento 

saltitava nos velhos contos 

e enchia de respeito 

a reunião familiar 

e já me esquecia 

da douta chuva 

que nunca faltava 

a estes armísticios  ...

15
Dez18

As palavras...

Filomena

As palavras são a nudez da alma 

são a oração  , a prece 

a relação íntima com a voz do criado 

a alegria 

o riso despreocupado 

e a água do silêncio fecundo 

do amanhecer da criatividade 

são pérola preciosa 

das diagonais das sílabas 

que invadem o campo solar 

banhando-se de luz e beleza 

e vestem o triângulo do poema 

com a sóbria simplicidade 

da gratuidade dos irrepetíveis segredos 

da vida 

e são sonho  ,infinito  ,miragem 

na doce e sã visão do que representam  ,são 

corpo e chão do despertar duma criança 

entregues às cores de maravilhados aconteceres naturais ...

09
Dez18

O silêncio da música...

Filomena

O silêncio da música 

é uma melodia 

conversada com outros silêncios 

que nos põe a meditar 

sobre a harmonia 

que flui no nosso mundo  ...

Já sinto o vento 

soprar-me os seus fonemas 

na cara 

e deixo que as mãos 

se enlacem 

na areia desta 

praia do mar 

captando assim 

as suas lengas lengas 

num diálogo divino 

como uma prece 

um sonho 

de ser então a música 

e os primeiros sons 

uma origem serena 

e primordial 

que agora sim 

me abrem 

com um ungento de sal 

a pureza 

duma audição livre e viva 

que luz como uma estrelinha 

no meu ser 

e me abre a alma para a vida 

pessoal  ,irreptível 

trazendo-me saúde e paz  ...

08
Dez18

O mar

Filomena

O mar 

na sua tranquila e serena 

manhã 

conversava connosco 

as cores 

que o humedeciam 

de voz e de silêncio 

nas tonalidades 

azul claro esbatendo-se 

nos brancos espelhados de sol 

da rebentação alegre 

das águas 

e reflectia Dezembro 

nas suas ternas expressões  ...

Cobria-o um céu muito azul 

dourado pelo sol baixo 

desta época do ano 

e ali estávamos eu e o João

para nos encharcarmos 

de paisagem ,

gaivotas , só uma 

usufruindo tudo isto 

num vai e vem 

como só elas sabem ditar  ...

08
Dez18

Humores de Dezembro ...

Filomena

No debotado

tracejado de tons 

das folhagens do choupo 

amarelo e verde seco 

colho o canto 

do meu passarito 

saltitando de ramo 

em ramo 

numa alegre toada 

nesta aberta manhã 

e delicio-me 

com este bonito quadro 

deste mês de Dezembro 

mês do menino Deus 

partilhando-o com o meu amor 

num enaltecer terno 

das criaçőes divinas ...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D