Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alinhavo de poesias

Alinhavo de poesias

15
Dez18

Caminhamos em Jesus ...

Filomena

Caminhamos em Jesus 

para o nosso Natal 

na beleza a que somos 

chamados 

nos caminhos de uma 

nova era 

e lá fora tudo 

se prepara 

para o rejuvenescimento

dum novo ciclo das estações 

o Inverno traz a preparação 

das novas gémulas nas plantas 

a flor do Natal reluz 

as noites tornam-se 

particularmente frias 

e Jesus nasce 

em cada um 

dos nossos corações  ,

saibamos ser 

o seu agazalho quentinho 

e macio  ...

15
Dez18

O barco ...

Filomena

O barco 

maregrou na doca 

contente com as abertas 

gargalhadas do sol 

e a estibordo 

amontoavam-se as gentes 

esperando a atracagem 

ao porto  ...

Era Domingo 

e a preguiça do lazer 

transparecia 

no bar do Zé

tomado de crianças 

com seus pais  ...

No rio 

ao longo da costa 

desenhavam-se 

o voo das gaivotas 

e Marinela 

a  menina negra 

ouvia-lhes os cantos 

e numa folha 

sarapintava a poesia 

que lhe ia na alma ...

Divino mesmo  ... 

15
Dez18

Já costurava umas palavras ...

Filomena

Já costurava umas palavras 

para desanuviar tristezas 

e multiplicar sorrisos 

no seio do mundo 

alimentando assim 

a alegria da prece 

que tudo sofre e ultrapassa 

para ver nascer nas crianças 

a endiabrada brincadeira 

tão própria das suas idades 

e neste vai e vem 

contemptlo o meu doce plátano 

no desalinho outonal das folhagens 

e o seu ambiente de fundo 

que é o espaço azul dos céus 

aberto ao radioso sol 

e tomo nota 

da virtuosa jovialidade 

dos pequenos pássaros

que se atravessam nas janelas 

debroando de assobios 

a vitoriosa tarde 

que tão luminosa 

se pôs para nós  ...

15
Dez18

O Outono despede-se ...

Filomena

O Outono despede-se  ,

lá fora  o uhúu do vento 

remete-me para a infância 

com  as  árvores a dobrarem-se 

e a serem desfolhadas 

num apetite do tempo 

para assustar meninos 

que na noite 

se escondiam nos lençóis

dos rumores das alminhas  ,

e assim se preparava 

a chegada 

do solestício de Inverno 

e a festa de Natal 

com a magia 

do nascimento de Jesus 

e a chegada dos presentes  ...

E com este desagravo 

o Senhor vento 

saltitava nos velhos contos 

e enchia de respeito 

a reunião familiar 

e já me esquecia 

da douta chuva 

que nunca faltava 

a estes armísticios  ...

15
Dez18

As palavras...

Filomena

As palavras são a nudez da alma 

são a oração  , a prece 

a relação íntima com a voz do criado 

a alegria 

o riso despreocupado 

e a água do silêncio fecundo 

do amanhecer da criatividade 

são pérola preciosa 

das diagonais das sílabas 

que invadem o campo solar 

banhando-se de luz e beleza 

e vestem o triângulo do poema 

com a sóbria simplicidade 

da gratuidade dos irrepetíveis segredos 

da vida 

e são sonho  ,infinito  ,miragem 

na doce e sã visão do que representam  ,são 

corpo e chão do despertar duma criança 

entregues às cores de maravilhados aconteceres naturais ...

09
Dez18

O silêncio da música...

Filomena

O silêncio da música 

é uma melodia 

conversada com outros silêncios 

que nos põe a meditar 

sobre a harmonia 

que flui no nosso mundo  ...

Já sinto o vento 

soprar-me os seus fonemas 

na cara 

e deixo que as mãos 

se enlacem 

na areia desta 

praia do mar 

captando assim 

as suas lengas lengas 

num diálogo divino 

como uma prece 

um sonho 

de ser então a música 

e os primeiros sons 

uma origem serena 

e primordial 

que agora sim 

me abrem 

com um ungento de sal 

a pureza 

duma audição livre e viva 

que luz como uma estrelinha 

no meu ser 

e me abre a alma para a vida 

pessoal  ,irreptível 

trazendo-me saúde e paz  ...

08
Dez18

O mar

Filomena

O mar 

na sua tranquila e serena 

manhã 

conversava connosco 

as cores 

que o humedeciam 

de voz e de silêncio 

nas tonalidades 

azul claro esbatendo-se 

nos brancos espelhados de sol 

da rebentação alegre 

das águas 

e reflectia Dezembro 

nas suas ternas expressões  ...

Cobria-o um céu muito azul 

dourado pelo sol baixo 

desta época do ano 

e ali estávamos eu e o João

para nos encharcarmos 

de paisagem ,

gaivotas , só uma 

usufruindo tudo isto 

num vai e vem 

como só elas sabem ditar  ...

08
Dez18

Humores de Dezembro ...

Filomena

No debotado

tracejado de tons 

das folhagens do choupo 

amarelo e verde seco 

colho o canto 

do meu passarito 

saltitando de ramo 

em ramo 

numa alegre toada 

nesta aberta manhã 

e delicio-me 

com este bonito quadro 

deste mês de Dezembro 

mês do menino Deus 

partilhando-o com o meu amor 

num enaltecer terno 

das criaçőes divinas ...

26
Nov18

Na vertigem do azul...

Filomena

Na vertigem do azul 

sustento o voo silábico 

da génese pronunciada 

das palavras 

e acordo fadas e anjos 

para esse alvorecer único 

num desígnio do amor 

que reconstruo da água 

e do seu aroma de sal 

para viver a carícia 

da pele sobre a pele 

e me enrolar 

no definitivo ardor da vida 

numa primícia que sacia 

a lembrança 

de dois corpos apaixonados 

dançando a música das tulipas 

e refrescando-se 

na ingenuidade e beleza 

de se pertencerem 

até ao último dos seus dias 

unidos pelo um elo 

humanamente divino ...

25
Nov18

No traço do poema ...

Filomena

No traço do poema 

desdobro as caras do Outono 

hoje trovejado duma chuva miúda 

e sulcado pelo corolário das brisas 

ensopando o tronco das árvores 

e sorrindo no cair da folha 

bailando sem um porquê 

que o tempo não contabiliza 

e evadindo-se 

num bafejado sopro de ar 

para o céu cinzento e claro  ...

E num dedo de encanto 

às vezes esgrime-se o azul 

e as figuras das pesadas nuvens 

de cores mistas 

do branco ao escuro cinzento 

ao madrepérola 

debroando as costas do mar 

num eterno engenho 

até à progressão para um embaciado 

e nublado céu 

cruzando as paisagens  ...

Só as gaivotas 

nos seus planares 

aqui sonham a liberdade de existir 

levando-nos com elas 

para o desafio de intuir 

a criatividade inteligente 

desse abrir do coração e da alma 

às naturais linguagens da criação divina ...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D